z
zeldathemes
Meu nome é Lass e estou aqui somente para me redimir de todo o mal que causei enquanto meu corpo estava possuído por Cazeaje. E isso é só o que você precisa saber.
Lass Isolet

Ler mais

  #off  

[Quarto do Lass - Noite]

arme-chan-gc:

Dividindo o bolo sem contestar, percebia que ela não comia os morangos e pensava: “Por que não?”, e comia em seu lugar. Se ela quisesse pegar um não reclamaria.

Logo vendo que Arme demonstrava sono, Lass já preparava um “vá dormir”, mas vê-la melecando o rosto com creme… Já era tarde para que ela o disse para não rir; o albino comprimia os lábios ainda fazendo esforço para não fazê-lo.

- Resolveu brincar de ser sua mascote?

É, não tinha o direito de pedir para ele não rir, ela mesma já riu de muitas coisas bobas que ele fez sem querer.

- A culpa foi sua. - limitou-se a resmungá-lo. E deu outro longo bocejo. Não se aguentaria acordada por muito mais tempo. - Waaaa~h, pra mim já deu. Tô indo’rmir. - Espreguiçou-se olhando para os lados em busca de algo para limpar o rosto.

- Minha culpa? Não fui eu quem espalhou o creme pela sua cara. - Já terminava de comer o bolo e falava de boca cheia. Estava aparentemente de bom humor e não ligaria pra isso. Apontando com o garfo à gaveta do criado mudo, resmungou algo pra chamar a atenção dela. - Na primeira gaveta tem um lenço.

Sid já ia se acolhendo, subindo na cama e reunindo um pouco do cobertor para se enrolar. Ficaram muito tempo fora de casa e aquela mordomia e conforto fizeram falta. Fora que já era bem tarde, mesmo que ele não estivesse com sono. Sabe-se lá que planos tinha para o dia seguinte.

- Tudo bem, eu lavo o rosto com água mesmo - Se só passasse um pano ainda ficaria doce e eu não quero formigas na minha cara.

Ela então se levantou e esticou-se outra vez. Não tinha muito mais o que fazer ou conversar com ele agora, mas dormiria logo de consciência mais leve por não estarem mais brigados.

- Então, até amanhã. Ou não. Nunca dá pra saber quando você vai fugir de novo. - Disse em tom de brincadeira e riu, embora por dentro a possibilidade dele desaparecer outra vez a incomodava bastante.- 'Te. - Despediu-se e saiu.

Deu de ombros. Se ela não precisava, não ia insistir.

Terminando o bolo, deixou a caixinha junto do garfo sobre o criado-mudo, arrumaria aquilo depois. Ficou com uma pulguinha atrás da orelha sobre o tipo de despedida dela, mas ao final balançou a cabeça e acenou brevemente.

Esperou com que ela saísse e por fim retirou as roupas novas, deixando-as dobradas à sua maneira num canto do criado mudo e vestiu uma calça folgada para dormir. Assim, pôde finalmente apagar a luz e se deitar para repousar.

  #[closed]  

[Quarto do Lass - Noite]

arme-chan-gc:

- Ah-! - Pô, morango não! Após a jogada do morango, ele procurou saber com pressa aonde a fruta havia caído. Por sorte caiu em seu colo, e rapidamente ele tomou e enfiou na boca emburrado. Que desperdício com meus morangos, pensou. E com essa brincadeira, parou de brincar e pôs-se a comer o bolo emburrado, antes que ela jogasse outro morango em si.

- Humpf! - bufou vitoriosa. Descobri um ponto fraco dele~

Como o albino contido, pôde voltar a comer em paz. Tirou e comeu outros três pedaços do canto, deixando os morangos para o rabugento; era o bolo dele, afinal,não podia simplesmente sair pegar a melhor parte.

E depois dessas garfadas deu um longo bocejo e, esquecendo-se de que tinha creme nas bochechas, esfregou o rosto. Acabou com o rosto quase tão branco quanto o do Chaserrot e demorou alguns segundos para processar o que tinha feito.

- … Não ria.

Dividindo o bolo sem contestar, percebia que ela não comia os morangos e pensava: “Por que não?”, e comia em seu lugar. Se ela quisesse pegar um não reclamaria.

Logo vendo que Arme demonstrava sono, Lass já preparava um “vá dormir”, mas vê-la melecando o rosto com creme… Já era tarde para que ela o disse para não rir; o albino comprimia os lábios ainda fazendo esforço para não fazê-lo.

- Resolveu brincar de ser sua mascote?

É, não tinha o direito de pedir para ele não rir, ela mesma já riu de muitas coisas bobas que ele fez sem querer.

- A culpa foi sua. - limitou-se a resmungá-lo. E deu outro longo bocejo. Não se aguentaria acordada por muito mais tempo. - Waaaa~h, pra mim já deu. Tô indo’rmir. - Espreguiçou-se olhando para os lados em busca de algo para limpar o rosto.

- Minha culpa? Não fui eu quem espalhou o creme pela sua cara. - Já terminava de comer o bolo e falava de boca cheia. Estava aparentemente de bom humor e não ligaria pra isso. Apontando com o garfo à gaveta do criado mudo, resmungou algo pra chamar a atenção dela. - Na primeira gaveta tem um lenço.

Sid já ia se acolhendo, subindo na cama e reunindo um pouco do cobertor para se enrolar. Ficaram muito tempo fora de casa e aquela mordomia e conforto fizeram falta. Fora que já era bem tarde, mesmo que ele não estivesse com sono. Sabe-se lá que planos tinha para o dia seguinte.

  #demorei pra achar o turno na dash    #e é melhor encerrar mesmo. Eu sei que tá chato e não consigo mais prolongar isso    #e eu vou acabar hiatando ele de novo  

[Quarto do Lass - Noite]

arme-chan-gc:

- Que? Não sinto nada. - Enquanto ela ficava vesga tentando limpar o nariz, ele melecou outra vez dois dedos e sujou a bochecha da menina com o creme. E segurava riso, era divertido ao final das contas.

- Wah! - reclamou. Logo pegou um morango qualquer e atirou contra o rosto dele. - Nunca te ensinaram a não brincar com comida? Seu magricelo(?)! - Desperdício de creme que eu poderia estar comendo!

- Ah-! - Pô, morango não! Após a jogada do morango, ele procurou saber com pressa aonde a fruta havia caído. Por sorte caiu em seu colo, e rapidamente ele tomou e enfiou na boca emburrado. Que desperdício com meus morangos, pensou. E com essa brincadeira, parou de brincar e pôs-se a comer o bolo emburrado, antes que ela jogasse outro morango em si.

- Humpf! - bufou vitoriosa. Descobri um ponto fraco dele~

Como o albino contido, pôde voltar a comer em paz. Tirou e comeu outros três pedaços do canto, deixando os morangos para o rabugento; era o bolo dele, afinal,não podia simplesmente sair pegar a melhor parte.

E depois dessas garfadas deu um longo bocejo e, esquecendo-se de que tinha creme nas bochechas, esfregou o rosto. Acabou com o rosto quase tão branco quanto o do Chaserrot e demorou alguns segundos para processar o que tinha feito.

- … Não ria.

Dividindo o bolo sem contestar, percebia que ela não comia os morangos e pensava: “Por que não?”, e comia em seu lugar. Se ela quisesse pegar um não reclamaria.

Logo vendo que Arme demonstrava sono, Lass já preparava um “vá dormir”, mas vê-la melecando o rosto com creme… Já era tarde para que ela o disse para não rir; o albini comprimia os lábios ainda fazendo esforço para não fazê-lo.

- Resolveu brincar de ser sua mascote?

[Quarto do Lass - Noite]

arme-chan-gc:

Primeiramente, ele esperou com que ela pegasse o primeiro pedaço. Tudo bem, era um presente. Mas a melhor parte era poder estar dividindo com uma pessoa que não havia deixado sua besteira cegá-la. E que raios havia acontecido em Canaban? Não sabia ao certo, só preferia esquecer. Ou fingir que havia esquecido. É. Era melhor.

E resolveu tomar uma garfada daquele creme todo derretido e em seguida um morango. Vai que ela dá uma de espertinha e rouba mais um, pensou.

Vestia as roupas presenteadas, comia o bolo também presenteado e ainda dividia com ela. Acreditava que aquilo estava sendo um pedido de remissão, era péssimo com palavras, ainda mais se tais pedissem humildade de sua parte; era como cuspir no próprio orgulho. De qualquer forma, Lass ouviu o que ela tinha a dizer, mas resolveu apagar aquele clima tenso antes mesmo de se formar. Melecou o dedo indicador com o creme e com um peteleco fraco sujou o nariz da menor com isso. - Hã? Não ouvi. - Fingia seriedade e deu mais uma garfada no bolo. 

- Ai! - franzira o rosto. - Isso dói, seu chato!

Já esperava que ele fugisse do assunto. Típico dele. Bom, o que ela tinha pra dizer já disse, insistir não daria em nada.

Ficou tentando alcançar a mancha de creme com a língua, mas esta por pouco não chega à base do nariz. Envesgava-se no processo.

- Que? Não sinto nada. - Enquanto ela ficava vesga tentando limpar o nariz, ele melecou outra vez dois dedos e sujou a bochecha da menina com o creme. E segurava riso, era divertido ao final das contas.

- Wah! - reclamou. Logo pegou um morango qualquer e atirou contra o rosto dele. - Nunca te ensinaram a não brincar com comida? Seu magricelo(?)! - Desperdício de creme que eu poderia estar comendo!

- Ah-! - Pô, morango não! Após a jogada do morango, ele procurou saber com pressa aonde a fruta havia caído. Por sorte caiu em seu colo, e rapidamente ele tomou e enfiou na boca emburrado. Que desperdício com meus morangos, pensou. E com essa brincadeira, parou de brincar e pôs-se a comer o bolo emburrado, antes que ela jogasse outro morango em si.

[Quarto do Lass - Noite]

arme-chan-gc:

Acabou torcendo o nariz à zombaria dela. Alguma hora descobriria o paradeiro daquele morango, no momento não era importante.

- Pegue seu garfo. - Apontou com um mover de cabeça o garfo ao lado que havia trazido para ela. - Vamos comer então. - E também estendeu o potinho do bolo, curvando o corpo para frente. Não era de dividir coisas assim, mas… Até que não era tão ruim.

- Y- ê - y ~ - Comemorou boba outra vez, porém mais lenta pois ainda estava com sono, e tomou o talher. Garfou um pedaço pequeno da lateral, não se atreveria a atacar os morangos de novo (não assim de cara) e comeu ainda cantarolando um “parabéns pra você”.

Mas logo ela ficou quieta, junto do olhar abaixado para o próprio colo, um sorriso curto. Apesar de tudo, não conseguia simplesmente fingir que não havia brigado com ele dias atrás. Só não queria pedir desculpas, e não via porquê, afinal ele quem estava errado. Mas tinha que dizer algo mesmo assim.

- Obrigada… - murmurou hesitante. Suspirou e tentou de novo, mais entendível dessa vez. - Obrigada por não estar com raiva de mim. Eu… Não saberia o que fazer se logo você tivesse raiva de mim. - ainda não era capaz de encará-lo.

Primeiramente, ele esperou com que ela pegasse o primeiro pedaço. Tudo bem, era um presente. Mas a melhor parte era poder estar dividindo com uma pessoa que não havia deixado sua besteira cegá-la. E que raios havia acontecido em Canaban? Não sabia ao certo, só preferia esquecer. Ou fingir que havia esquecido. É. Era melhor.

E resolveu tomar uma garfada daquele creme todo derretido e em seguida um morango. Vai que ela dá uma de espertinha e rouba mais um, pensou.

Vestia as roupas presenteadas, comia o bolo também presenteado e ainda dividia com ela. Acreditava que aquilo estava sendo um pedido de remissão, era péssimo com palavras, ainda mais se tais pedissem humildade de sua parte; era como cuspir no próprio orgulho. De qualquer forma, Lass ouviu o que ela tinha a dizer, mas resolveu apagar aquele clima tenso antes mesmo de se formar. Melecou o dedo indicador com o creme e com um peteleco fraco sujou o nariz da menor com isso. - Hã? Não ouvi. - Fingia seriedade e deu mais uma garfada no bolo. 

- Ai! - franzira o rosto. - Isso dói, seu chato!

Já esperava que ele fugisse do assunto. Típico dele. Bom, o que ela tinha pra dizer já disse, insistir não daria em nada.

Ficou tentando alcançar a mancha de creme com a língua, mas esta por pouco não chega à base do nariz. Envesgava-se no processo.

- Que? Não sinto nada. - Enquanto ela ficava vesga tentando limpar o nariz, ele melecou outra vez dois dedos e sujou a bochecha da menina com o creme. E segurava riso, era divertido ao final das contas.

[Quarto do Lass - Noite]

arme-chan-gc:

Que yay o que. Pensou emburrado.

- “É só assoprar, nau seja chatu” - Imitou-a com uma voz mais fina, fazendo careta com aquele típico mau humor. - Não pedi nada. É bobice. - Mentiu.

- Que bom que não pediu pra saber o paradeiro daquele morango, quem sabe eu realizasse seu desejo~ - riu cantarolante e tocou a ponta do nariz do albino com o “dedo vela”. Depois recuou o tronco e bateu uma palma. - Mah, agora sim já pode comer. O bolo pode consertar esse seu mau humor.

Acabou torcendo o nariz à zombaria dela. Alguma hora descobriria o paradeiro daquele morango, no momento não era importante.

- Pegue seu garfo. - Apontou com um mover de cabeça o garfo ao lado que havia trazido para ela. - Vamos comer então. - E também estendeu o potinho do bolo, curvando o corpo para frente. Não era de dividir coisas assim, mas… Até que não era tão ruim.

- Y- ê - y ~ - Comemorou boba outra vez, porém mais lenta pois ainda estava com sono, e tomou o talher. Garfou um pedaço pequeno da lateral, não se atreveria a atacar os morangos de novo (não assim de cara) e comeu ainda cantarolando um “parabéns pra você”.

Mas logo ela ficou quieta, junto do olhar abaixado para o próprio colo, um sorriso curto. Apesar de tudo, não conseguia simplesmente fingir que não havia brigado com ele dias atrás. Só não queria pedir desculpas, e não via porquê, afinal ele quem estava errado. Mas tinha que dizer algo mesmo assim.

- Obrigada… - murmurou hesitante. Suspirou e tentou de novo, mais entendível dessa vez. - Obrigada por não estar com raiva de mim. Eu… Não saberia o que fazer se logo você tivesse raiva de mim. - ainda não era capaz de encará-lo.

Primeiramente, ele esperou com que ela pegasse o primeiro pedaço. Tudo bem, era um presente. Mas a melhor parte era poder estar dividindo com uma pessoa que não havia deixado sua besteira cegá-la. E que raios havia acontecido em Canaban? Não sabia ao certo, só preferia esquecer. Ou fingir que havia esquecido. É. Era melhor.

E resolveu tomar uma garfada daquele creme todo derretido e em seguida um morango. Vai que ela dá uma de espertinha e rouba mais um, pensou.

Vestia as roupas presenteadas, comia o bolo também presenteado e ainda dividia com ela. Acreditava que aquilo estava sendo um pedido de remissão, era péssimo com palavras, ainda mais se tais pedissem humildade de sua parte; era como cuspir no próprio orgulho. De qualquer forma, Lass ouviu o que ela tinha a dizer, mas resolveu apagar aquele clima tenso antes mesmo de se formar. Melecou o dedo indicador com o creme e com um peteleco fraco sujou o nariz da menor com isso. - Hã? Não ouvi. - Fingia seriedade e deu mais uma garfada no bolo. 

[Quarto do Lass - Noite]

arme-chan-gc:

Eu, chato? Pelo menos não violo a privacidad-… E ele resolveu encerrar o pensamento por aí mesmo, era um stalker e violava mesmo o espaço dos outros e isso o acusou. Num sentido engraçado, claro.

E ficou olhando a vela; nem ele mesmo sabia sua própria idade devido à amnésia que sofreu depois de ser liberto. Queria ele saber, mesmo aparentando não dar a mínima pra isso - E quem se importa?

Com um pouco de folga, passou a fechar os olhos e inclinou as costas de leve para trás. Mas um pedido..? Nunca havia parado para pensar nisso, ou se era eficiente aquela bobice. Sim, parecia bobice. Criar expectativas numa coisa que sequer sabia se ia se cumprir só por assoprar um fogo mágico. Mas naquele espaço, com aqueles simples presentes e a menor, ele não conseguia deixar a mente sair dali e se meter em seus problemas. Aquilo era ótimo.

A fim de evitar mais insistência por parte dela sobre aquilo, ele bufou e inclinou as costas para frente, tomando fôlego. Que se repitam dias assim, foi apenas o que se lembrou de pedir mentalmente e assim assoprou aquele foguinho.

- Yaaay~ - Assim que ele apagou a chama, Arme ergueu os braços comemorando; depois pousou as mãos no colo e inclinou-se para frente, curiosa. Mesmo conhecendo o ritual não evitou de perguntar: - O que você pediu?

Que yay o que. Pensou emburrado.

- “É só assoprar, nau seja chatu” - Imitou-a com uma voz mais fina, fazendo careta com aquele típico mau humor. - Não pedi nada. É bobice. - Mentiu.

- Que bom que não pediu pra saber o paradeiro daquele morango, quem sabe eu realizasse seu desejo~ - riu cantarolante e tocou a ponta do nariz do albino com o “dedo vela”. Depois recuou o tronco e bateu uma palma. - Mah, agora sim já pode comer. O bolo pode consertar esse seu mau humor.

Acabou torcendo o nariz à zombaria dela. Alguma hora descobriria o paradeiro daquele morango, no momento não era importante.

- Pegue seu garfo. - Apontou com um mover de cabeça o garfo ao lado que havia trazido para ela. - Vamos comer então. - E também estendeu o potinho do bolo, curvando o corpo para frente. Não era de dividir coisas assim, mas… Até que não era tão ruim.

gct-imagesource:

BBN

gct-imagesource:

BBN

[Quarto do Lass - Noite]

arme-chan-gc:

Pelo visto ela não admitira mesmo. Mas tudo já acusava que ela tinha feito alguma coisa com o morango, só não sabia o que. Não era importante, de toda forma.

E franziu o cenho bastante confuso com aquele foguinho que brotou no dedo dela e o pedido. Pedido..? O que deveria pedir? Claro, primeiramente ele… - Que besteira… - Suspirou e juntando as sobrancelhas, virou o rosto de lado.

Tudo pra ele funcionava na base de insistência, ou não teria interesse por parte dele.

- Vai, é só soprar. Não seja chato. - Sem apagar a pequena chama, ela se levantou do chão e sentou-se na cama para poder perturbá-lo mais de perto. - Ou prefere que seja como uma vela de aniversário, com sua idade e tudo? - riu travessa - Mas quantos anos será que o Lass fez? - a chama em seu dedo assumiu a forma de uma interrogação.

Eu, chato? Pelo menos não violo a privacidad-… E ele resolveu encerrar o pensamento por aí mesmo, era um stalker e violava mesmo o espaço dos outros e isso o acusou. Num sentido engraçado, claro.

E ficou olhando a vela; nem ele mesmo sabia sua própria idade devido à amnésia que sofreu depois de ser liberto. Queria ele saber, mesmo aparentando não dar a mínima pra isso - E quem se importa?

Com um pouco de folga, passou a fechar os olhos e inclinou as costas de leve para trás. Mas um pedido..? Nunca havia parado para pensar nisso, ou se era eficiente aquela bobice. Sim, parecia bobice. Criar expectativas numa coisa que sequer sabia se ia se cumprir só por assoprar um fogo mágico. Mas naquele espaço, com aqueles simples presentes e a menor, ele não conseguia deixar a mente sair dali e se meter em seus problemas. Aquilo era ótimo.

A fim de evitar mais insistência por parte dela sobre aquilo, ele bufou e inclinou as costas para frente, tomando fôlego. Que se repitam dias assim, foi apenas o que se lembrou de pedir mentalmente e assim assoprou aquele foguinho.

- Yaaay~ - Assim que ele apagou a chama, Arme ergueu os braços comemorando; depois pousou as mãos no colo e inclinou-se para frente, curiosa. Mesmo conhecendo o ritual não evitou de perguntar: - O que você pediu?

Que yay o que. Pensou emburrado.

- “É só assoprar, nau seja chatu” - Imitou-a com uma voz mais fina, fazendo careta com aquele típico mau humor. - Não pedi nada. É bobice. - Mentiu.